Estamos perto do fim da fotografia em catálogos de produtos? O 3D está invadindo este e outros nichos? Entenda um pouco mais sobre esses assuntos e saiba ainda como sua empresa pode se beneficiar do Try to Buy!

Imagens 3D substituindo fotos em bancos de imagens e em catálogos de produtos na web? É o que discute uma notícia publicada pelo Lifewire, que destaca a compra do marketplace de imagens 3D Turbosquid pelagigante Shutterstock, um dos maiores repositórios de imagens da internet.

Uma das consequências desse fato tem a ver com essa tendência da qual falamos no início: imagens em 3D estão ganhando terreno de fotografias (e de seus fotógrafos, claro) em grandes repositórios e, principalmente, em companhias cuja representação web dos produtos depende de imagens fiéis.

Podemos relacionar parte desse movimento ao uso da realidade aumentada em catálogos e simulações, como parte de estratégias do tipo Try to Buy – também veremos sobre isso adiante!

Realidade aumentada e catálogos em 3D

Embora ainda não esteja presente no Brasil, você provavelmente já ouviu falar da Ikea, a gigante de origem escandinava que produz móveis de design apurado. A empresa há alguns anos já configura seus catálogos online com imagens totalmente geradas por computação.

Claro que a realidade aumentada não poderia ficar de fora dessa dinâmica. Utilizando a sua imensa base de modelos 3D de seus produtos, a Ikea disponibilizou um app que permite aos consumidores visualizar como ficam seus ambientes com os móveis da empresa: o Ikea Place.

Esse tipo de estratégia se chama Try to Buy e é algo que pode beneficiar muito a sua empresa! Vamos saber como?

O que é Try to Buy em realidade aumentada?

Try to Buy é exatamente a função que desempenha o app Ikea Place e uma aplicação estratégica para vários segmentos do varejo. Com esse tipo de ação, o usuário pode, por exemplo, visualizar como ficaria uma TV ou móvel em seus próprios ambientes, sem precisar medir e sem maiores complicações.

O grande benefício do Try to Buy com realidade aumentada é essa segurança de saber que está comprando algo cujas medidas conferem com o espaço disponível. Além, claro, de permitir uma visualização estética do ambiente. É como experimentar uma roupa antes de comprar – só que com móveis!

Antes de continuarmos, uma pequena pausa: como imagens 3D tem tudo a ver com realidade aumentada, então você poderá aproveitar bem os artigos abaixo:

Try to Buy com realidade aumentada: números

Benefício este que se desenrola em números – por exemplo, em um aumento considerável das vendas. Segundo informações da empresa texana Shipstation (via The Drum), mais de 40% dos compradores consideram que seria muito mais fácil decidir pela compra caso pudessem testar os produtos com
RA.

E tem mais: uma vez que o consumidor já testou (e aprovou) a utilização e/ou disposição do produto, a taxa de devolução e trocas cai a patamares muito baixos. E isso, claro, reduz custos!

Try to Buy – e seu sucesso entre público e empresas – é a prova de que a realidade aumentada é uma ferramenta de extrema flexibilidade e versatilidade para atender a diversas demandas, em praticamente todos os segmentos do marketing.

Sua empresa pode oferecer tudo isso!

Todo esse know-how em oferecer simulações 3D em ambientes não é, de longe, exclusividade de grandes empresas, como a Ikea. Nós da AREA temos experiências diversas no desenvolvimento de campanhas com realidade aumentada, sempre com foco nas relações entre marca e usuário. Que tal então sua empresa passar a oferecer esse tipo de interação, engajamento e até mesmo benefício para seu público consumidor? Entre em contato conosco – queremos saber as suas necessidades e desafios para oferecer a melhor solução! Ah, e se você considerou este conteúdo útil, compartilhe o nosso blog com os seus contatos nas redes sociais – ou com aquele seu amigo que também pode se interessar!